29°

Tempo nublado

Parauapebas, PA

Geral CIDADANIA

UsiPaz Terra Firme recebe show de lançamento do disco projeto "Stereocidade"

Novos artistas da periferia da Amazônia urbana estão presentes no álbum lançado na noite de sábado.

26/11/2023 às 18h00
Por: Redação Fonte: Secom Pará
Compartilhe:
Crédito: Divulgação
Crédito: Divulgação

A Usina da Paz Terra Firme, em Belém, recebeu o grande show da entrega do resultado do projeto 'Stereocidade'. Reunido sete artistas da periferia da Grande Belém. O disco traz diferentes estilos musicais tendo em comum as origens dos artistas: as margens do centro.

Com curadoria de Ruy Montalvão e produção de Léo Chermont, o projeto realizou uma chamada aberta, ocorrida no final de setembro, e recebeu a inscrição de dezenas de novos músicos. Deles, sete compõem o disco, que foi gravado e remasterizado em apenas 80 dias.

“Não foi uma tarefa fácil. Um disco de um artista só com um prazo de 80 dias já é algo muito intenso. Agora imagina um disco com sete artistas diferentes, com peculiaridades diferentes, histórias diferentes. Tivemos que buscar formas de criar um diálogo entre as faixas e o resultado é uma vitrine muito diversa e importante da nova música feita nas quebradas da Amazônia”, diz Ruy Montalvão.

Continua após a publicidade
Anúncio

O elenco traz Beni Oliver (Terra Firme), Jarede Almeida (Marituba), Margoal (Guamá), Nixon Jr (Benguí), Rafaela Travassos (Icuí-Guajará), Ruth Clark (Cabanagem) e Vinícius Leite (Condor). A sonoridade traz canções em samba, boi-bumbá, carimbó, cumbia, rap, música popular brasileira, música experimental e eletrônica. O trabalho estará disponível nas plataformas digitais no dia 30 de novembro.

Sob curadoria de Ruy Montalvão - artista e produtor que nos anos 2000 lançou holofotes sobre a obra de mestres como Laurentino e Dona Onete, alçando a palcos no Brasil e no mundo - o disco coletivo mostra a potência criativa da nova música nascida nas quebradas da Amazônia.

“Acredito que vem hit por aí! O Stereocidade é um projeto que alcançou seu propósito: o diálogo entre esses territórios periféricos que têm artistas com uma qualidade enorme. A periferia é um celeiro musical perene. Nesse álbum, eles têm um registro sonoro com uma qualidade ímpar”, diz Ruy.

Para o secretário de Cidadania (Seac), Igor Normando, apoiar o projeto traz um fortalecimento para as comunidades. "Nós colocamos as Usinas para ser a base de apoio dessas seletivas e nos traz uma alegria enorme de ver artistas de cada um desses bairros compondo esse disco", destacou.

“O processo de seleção foi muito difícil. Infelizmente muita gente boa ficou de fora. Mas isso ao mesmo tempo serve de combustível para a gente continuar esse projeto de mapear mais artistas. A ideia é ampliar para todos os bairros periféricos da região metropolitana e também para o interior do estado. A gente pensa em transformar também em um projeto audiovisual”, explica Ruy Montalvão.

Os artistas

Beni Oliver é criador do Movimento Caixa Preta, que há 13 anos é resistência periférica por meio do hip hop. Com composições em defesa da classe trabalhadora, Beni já se apresentou em festivais pelo Brasil.

Jarede Almeida é músico e produtor. Atuou no grupo Coletivo Rádio Cipó por quase dez anos, integrando o time do CD “Formigando na calçada do Brasil", que trouxe Dona Onete e Mestre Laurentino. Com o disco, a banda circulou pelo Brasil e pela Europa. Em 2013, grava seu primeiro disco solo, com canções inspiradas no sentimento paterno, intitulado “canções de pai para filha”.

Artista deficiente visual, Margoal tem a vida dedicada à cultura popular. Ao lado do esposo, Marcelino Galvão, criou o Boi Juruguá, e compõem toadas de boi. Carimbozeiro e percussionista, Nixon Junior é um dos fundadores do grupo cultural Canto do Aracuã, criado em 2017. Rafaela Travassos tem uma década de carreira como sambista, e já se apresentou em shows de grandes artistas do gênero, como Fundo de Quintal, Arlindo Cruz, Zeca Pagodinho.

Ruth Clark MC é rapper, ativista e compositora. Selecionada nos Festivais Elas No Comando, SeRasgum e Rio Oricuri, suas rimas exaltam o poder ao povo preto e sua vivência de mulher nortista. Vinícius Leite é músico e compositor. O blues é sua grande paixão. Estudou no Curro Velho com Nego Nelson, grande nome da música paraense e um dos maiores violonistas do Brasil. Tem parcerias com artistas como Joelma Kláudia, Messias Lyra, Dand M e Tonny Lisboa.

Álbum: Stereocidade

Músicas:

1- Quem Perdoa é Deus

2- Previsão do Tempo

3- Samba do Catiá (Homenagem ao Moreira)

4- Pelos Cinco

5- Maria Joana

6- Minha Terra Firme

7- Juruguá

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Parauapebas, PA Atualizado às 16h10 - Fonte: ClimaTempo
29°
Tempo nublado

Mín. 20° Máx. 27°

Sáb 27°C 22°C
Dom 28°C 21°C
Seg 29°C 22°C
Ter 28°C 22°C
Qua 25°C 22°C
Anúncio
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Anúncio
Anúncio
Anúncio