Sábado, 28 de Janeiro de 2023
21°C 29°C
Parauapebas, PA
Publicidade

Estado do Pará detém o maior rebanho de búfalos do Brasil e o 2º maior rebanho bovino

Posições de destaque no cenário nacional resultam de investimentos no aprimoramento da defesa sanitária e em tecnologias que garantem sustentabilidade

20/01/2023 às 11h25
Por: Redação Fonte: Secom Pará
Compartilhe:
Crédito: Alex Ribeiro / Ag. Pará
Crédito: Alex Ribeiro / Ag. Pará

O Pará já detém o segundo maior rebanho bovino do País, 26.754.388 animais, o que representa um crescimento superior a 6.062.288 bovídeos em um período de quatro anos, informa a Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará). O primeiro colocado ainda é o Mato Grosso, no Centro-Oeste, com 32.788.192 animais. Já no ranking de rebanho de búfalos, o Pará permanece na liderança, com 750.301 animais. O principal centro de produção bubalina é o Arquipélago do Marajó. O Pará registra um crescimento superior a 30% do rebanho, em comparação a 2019, quando totalizava 20.692.100 animais.

O crescimento é resultado de aporte tecnológico e ações de sustentabilidade, o que pode ser observado na tecnificação da criação de animais, que inclui rotatividade e adubação do pasto, que permite melhor aproveitamento da área e maior lotação de animais; controle sanitário e melhoria genética dos animais, permitindo o abate a partir dos 18 meses, o que antes exigia 60 meses.

A eficiência da pecuária paraense está em um expressivo crescimento na produção sem expandir a área ocupada, preservando áreas ainda intocadas. O segmento cresce e ocupa uma área de 193.697 quilômetros quadrados (km²), o que corresponde a 15,55% do território paraense, que tem 1.245.870,798 km².

Segundo o diretor da Adepará, veterinário Jamir Paraguassu Macedo, esse acréscimo é resultado do aporte tecnológico, da adoção de práticas sustentáveis e da união de esforços entre o setor produtivo e o governo do Estado. Também está em consonância com as diretrizes do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), e seus indicadores de produtividade e sustentabilidade em 2022, apontando o crescimento da agropecuária produtiva, que avança baseada na sustentabilidade ambiental, permitindo a construção de uma economia de baixo carbono.

“Esses dados revelam que a pecuária paraense é admirável ao apresentar o melhor crescimento do País, com avanço da tecnologia e da sustentabilidade ambiental. Saímos de uma taxa de lotação de 0,5 animal por hectare para 1,5 animal por hectare. Outro ponto é a parceria público-privada, a qual nos possibilita avançar em muitas demandas e atuar de maneira mais forte, tornando o serviço de defesa seguro e eficaz, que é o objetivo de todos, uma vez que queremos que o nosso setor produtivo em fomento, gerando mais empregos e renda”, informa o diretor da Adepará.

Crédito: Pedro Guerreiro / Ag. Pará
Crédito: Pedro Guerreiro / Ag. Pará
Sustentabilidade -Hoje, o Pará é o único estado da Federação a possuir vinculação da Guia de Trânsito Animal (GTA) com o Cadastro Ambiental Rural (CAR), inviabilizando a possibilidade de propriedades com passivos ambientais emitirem a GTA até sua regularização nos órgãos de fiscalização ambiental.

As áreas mais expressivas na pecuária bovina são a Região de Integração Araguaia, no Sul do Pará, com 8.220.528 reses; RI Carajás, com 4.125.313; RI Xingu, com 3.571.786, e RI Lago de Tucuruí, com 2.843.903, totalizando 18.761.530 animais, o equivalente a 74,51% do rebanho paraense.

Com a agropecuária sendo a segunda pauta do PIB (Produto Interno Bruto) do Estado, o trabalho da Agência de Defesa é essencial para manter o desenvolvimento econômico. Hoje, dos 144 municípios, 52 são dependentes do agronegócio. Assim, as políticas formuladas pela Agência abrangem o pequeno, o médio e o grande produtor rural, e visam atender ao mercado interno e também fazer com que os produtos agropecuários tenham competitividade em preço e qualidade nos mercados nacionais e internacionais.

Jamir Macedo destaca que é prioridade do governo estadual promover o desenvolvimento sustentável, garantindo a produção e a produtividade em equilíbrio com o meio ambiente, um dos grandes desafios do setor pecuário. Segundo ele, a sustentabilidade deve ser ativa, fomentando visões que consideram não apenas o fator econômico, mas também o ambiental e o social. “Pode-se dizer que a agricultura sustentável busca o equilíbrio entre a natureza e a produção, utilizando soluções inteligentes para isso”, ressalta o gestor.

Desenvolvimento –Em 2021, o Pará encaminhou 2.030.867 bovinos para o abate, o que representa 8,31% dos animais criados para essa finalidade. Foram 1.949.406 abatidos dentro de plantas frigoríficas inspecionadas por órgãos oficiais, com 1.772.671 para frigoríficos sob a fiscalização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e 176.735 para matadouros estaduais, fiscalizados pela Adepará.

“A relação do sexo dos animais abatidos foi de 3,6 machos para uma fêmea, ou seja, a realização do abate maior de machos”, detalha o veterinário Jefferson de Oliveira, diretor de Defesa e Inspeção Animal da Adepará, com doutorado em Epidemiologia Animal.

A taxa de desfrute (ou de extração) mede a capacidade do rebanho de produzir animais excedentes para venda, sem comprometer seu efetivo básico. A taxa de desfrute no Pará foi de 8,57%, em 2021, com o excedente de 2.094.693 animais comercializados principalmente para abate e exportação. O excedente é constituído de novilhos em idade de abate, de touros e vacas descartados do rebanho e das novilhas não reservadas para reprodução.

“Neste cenário, o agronegócio paraense continuou produtivo, com ações regulares, e ainda registrou uma ascensão do setor, mesmo em tempos de crise. Nos últimos dois anos, a Agência de Defesa aumentou o número de empresas registradas, implantou novos serviços, melhorou sua infraestrutura física e tecnológica, consolidou tecnicamente as ações de defesa sanitária agropecuária e de segurança alimentar”, informa Jefferson de Oliveira.

Expertise –Atualmente, a Adepará é considerada por órgãos similares referência nacional em defesa agropecuária. A autarquia se destaca com a vigilância ativa das propriedades, em cumprimento às metas dos programas sanitários nacionais implementados pelo Mapa e pela OMSA (Organização Mundial da Saúde Animal), com o objetivo de avançar no Programa de Erradicação da Febre Aftosa, para retirar a vacinação contra a doença e chegar a novos mercados consumidores.

Crédito: Bruno Cecim / Ag.Pará
Crédito: Bruno Cecim / Ag.Pará
Entre os trabalhos rotineiros do Serviço Veterinário Oficial (SVO) do Pará estão: realização de inquéritos soroepidemiológicos; cadastramento de propriedades rurais; fiscalizações fixa e móvel; análises de riscos de reintrodução; trabalho preventivo e rastreabilidade.

A Agência do Pará completou 20 anos de atuação em 17 de maio deste ano. Nessas duas décadas, o SVO garantiu a qualidade dos produtos agropecuários com preservação do meio ambiente e competitividade nos mercados local, nacional e global.

A Agência de Defesa Agropecuária do Pará tem a missão de garantir a sanidade e a qualidade da produção agropecuária, contribuindo para o desenvolvimento sustentável e competitivo do agronegócio. Suas ações estão alinhadas aos objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ODS/ONU) e do Ministério da Agricultura, e ainda às perspectivas dos produtores rurais.

Exportações -Atualmente, os principais mercados consumidores do gado criado no Pará são os estados do Amazonas, São Paulo e Mato Grosso, e no mercado internacional os Países Árabes, China e Rússia. Com a retirada da vacinação contra aftosa pleiteada pelo Estado, prevista para 2024, novos mercados serão conquistados, entre os quais Estados Unidos, Comunidade Europeia e Chile.

A retirada da vacina resultará em uma economia anual superior a R$ 100 milhões, incluindo custos diretos e indiretos. Pelo que representa para a pecuária nacional, o Pará, por meio da Agência de Defesa e instituições parceiras, atua em conjunto com o Mapa para substituir gradualmente a vacinação por outras medidas sanitárias de controle da doença, o que depende do aprimoramento dos mecanismos de vigilância e do fortalecimento do sistema de prevenção e detecção precoce da aftosa.

Com o atual cenário, as projeções são extremamente positivas, avalia o diretor Jamir Macedo.

“As perspectivas em decorrência desse crescimento pecuário são de novas oportunidades de emprego, incremento do parque industrial e valorização do produto paraense. Tudo projetado com a proteção do meio ambiente. Hoje, somos uma referência nacional em defesa agropecuária. Portanto, agora nosso objetivo é abrir novos mercados consumidores externos e tornar os produtos paraenses cada vez mais competitivos nos mercados regional, nacional e global. Para isso, a Adepará trabalha diariamente em todos os municípios paraenses”, garante.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Parauapebas, PA
22°
Tempo nublado

Mín. 21° Máx. 29°

23° Sensação
0.56km/h Vento
98% Umidade
100% (5.55mm) Chance de chuva
06h20 Nascer do sol
06h43 Pôr do sol
Dom 29° 21°
Seg 29° 21°
Ter 28° 21°
Qua 28° 21°
Qui 24° 21°
Atualizado às 00h48
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,11 -0,06%
Euro
R$ 5,55 -0,04%
Peso Argentino
R$ 0,03 +0,12%
Bitcoin
R$ 124,885,30 -0,45%
Ibovespa
112,316,16 pts -1.63%
Publicidade
Publicidade
Anúncio
Publicidade
Publicidade
Anúncio