PREFEITURA FIRMA PARCERIA COM EMPRESAS DE ALIMENTOS PARA COMBATER CLANDESTINIDADE

Uma reunião entre a Secretaria Municipal de Produção Rural (Sempror) e empresários da indústria alimentícia de Parauapebas firmou parceria para combater a clandestinidade na manipulação e venda de produtos e, consequentemente, preservar a saúde da população do município. Da parceria, também fazem parte o Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e a Vigilância Sanitária de Parauapebas.

Com a presença do secretário de Produção Rural, Eurival Martins, o Totô, a reunião foi na manhã desta terça-feira, 27, quando foram discutidos o planejamento das atividades e as competências do poder público e da iniciativa privada, que garantam a venda de alimentos saudáveis aos consumidores.

Outro ponto tratado na reunião foi sobre a legalização de empresas que podem servir de exemplo a outros produtores no sentido de coibir a produção, manuseio e comercialização ilegal de produtos, pois técnicas inadequadas no processo de produção podem propiciar o surgimento de sérias doenças.

“O objetivo do serviço de inspeção é o credenciamento das indústrias de produtos de origem animal e vegetal, em caráter permanente de fiscalização e ou periódico, atuando nas indústrias de abate de animal, ou seja, no beneficiamento de leite, queijo, e mel, por exemplo. O serviço acompanha todo o processo de beneficiamento até o transporte”, diz a coordenadora do SIM, Márcia Solange Ferro.

DOENÇAS RELACIONADAS

Compete à Sempror, por meio do Serviço de Inspeção Municipal, a inspeção e o controle higiênico-sanitário dos processos de produção, industrialização e classificação dos produtos de origem animal e vegetal.

Conforme relatório de 2013 da agência de alimentos das Nações Unidas, cerca de 70% das novas doenças que infectaram os seres humanos nas últimas décadas têm origem animal. Para a Organização Mundial de Saúde (OMS), os alimentos não seguros contendo bactérias, vírus, parasitas ou substâncias químicas prejudiciais à saúde são a causa de mais de 200 doenças que vão desde diarreia ao câncer.

Pelas estatísticas da OMS, as doenças diarreicas matam cerca de dois milhões de pessoas por ano, incluindo muitas crianças, prejudicando a produtividade e sobrecarregando o sistema de saúde pública.

 

Texto e fotos: Diego Santana
Assessoria de Comunicação – Ascom | PMP

ULTIMAS NOTÍCIAS

Florindo o Mundo certifica mulheres e realiza aula inaugural para 2ª turma

“Uma grande capacitação que a prefeitura fez. Foram 50 mulheres capacitadas pelo Florindo o Mundo. Estou feliz e quero só agradecer pela oportunidade de estar

Um homem morre e outro fica gravemente ferido após avançarem sinal em Parauapebas

Um homem ainda não identificado morreu e outro, até o momento também sem identificação, está internado em estado grave no Hospital Municipal de Parauapebas, em

Pescado de Parauapebas está livre da doença “da urina preta”

Queda em mais de 90% nas vendas e prejuízo de quase R$ 3 milhões para toda a cadeia produtiva do peixe em Parauapebas desde o

CPI da Vale: Executivos de áreas sociais deixam perguntas sem respostas

A Vale registrou lucro líquido de R$ 30,56 bilhões no primeiro trimestre de 2021 e R$ 26 bilhões no ano de 2020. O Pará responde

Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de food service

Com sanções em vigência desde 1º de agosto último, a Lei Geral de Proteção de Dados – conhecida pela sigla LGPD – se aplica tanto

Mulher mata marido com facada no peito em Santarém

Um desentendimento familiar que culminou na morte de um homem. A motivação ainda é desconhecida. O crime chocou familiares e os moradores da região.  Uma