Noite de autógrafos: Olinto Vieira lança 1ª edição do livro “QUANDO ÉRAMOS REIS”

Do Vale do Jequitinhonha (MG) para Parauapebas (PA), onde já mora há 22 anos, Olinto Vieira trouxe consigo o gosto pela arte, sendo uma delas a literatura.
O garoto, descendente de mineiros simples do interior, já escrevia poesias desde sua adolescência, tendo depois se arriscados nos rabiscos que hoje são lindas telas nas quais estampam sua “realidade oculta”.
“No período escolar, na época chamado de primário, eu fazia caricatura dos professores; e hoje sou surpreendido por algumas que foram guardadas”, lembra Olinto, mensurando que, de risco a rabiscos, já e grande sua coleção de arte.
Mas, como todo poeta, Olindo é um sujeito discreto e, de certo modo, tímido. Tendo revelado suas habilidades poéticas apenas para amigos e nas colunas de diversos jornais impressos, estando entre eles: O Regional, Carajás o Jornal e Correio do Pará; que publicaram suas poesias e crônicas por vários anos.
Porém, chegou o momento de tornar, ainda mais, público suas poesias através a publicação de um livro. E nada mais digno e justo do que reunir os amigos para testemunhar essa conquista. O que ocorreu na NOITE DE AUTÓGRAFOS, na noite desta quinta-feira, momento em que Olinto Vieira autografou diversos exemplares de seu livro QUANDO ÉRAMOS REIS, obra que reúne mais de 100 poemas de sua autoria, publicado pela editora FOLHEANDO. “A primeira edição esgotou. Não esperava tamanha aceitação. Mas, providenciaremos outra tiragem para que outras pessoas possam ter acesso à coletânea de poesia”, afirmou Olinto Vieira, com a modéstia que cabe aos poetas.


Não foi apenas a venda dos livros que mostrou a aceitação dos presentes. Mas, além de lerem ali mesmo o conteúdo, muitos deles declamaram a poesia que elegia como a melhor. Depois, foi a vez do escritor bater um papo descontraído com a jornalista Hanny Amoras, momento em que, além de contar um pouco de sua trajetória artística, demonstrou seu bom humor e a fé na vida e no ser humano; o que ele deixou claro na primeira frase da primeira poesia publicada no livro: “Poesia é poeira de estrelas, deixada por Deus para brilhar o mundo”.
O livro QUANDO ÉRAMOS REIS traz o prefácio de Geraldo Abdala, médico neurologista, cronista, professor universitário e professor de vida.
A dedicatória da obra foi à Marlene Campos Vieira, mãe de Olinto Vieira, a quem qualifica como sua inspiradora.

Olinto Vieira, autografando o livro no lançamento da 1ª edição do livro “QUANDO ÉRAMOS REIS” / Foto: Reprodução


NOITE DE AUTÓGRAFOS: Contando com a presença de vários amigos (maioria advogados e jornalistas), representante da APL – Academia Parauapebense de Letras, e OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, a noite de autógrafos para o lançamento do livro QUANDO ÉRAMOS REIS ocorreu no Espaço Dom Mendonça, a partir das 19 horas desta quinta-feira, 9.
A música ficou a cargo dos amigos que se juntaram e formaram um trio que deu show à altura do evento: Dulci Cunha (voz e flauta), Felipe de Judah (voz e violão) e Peixinho (vibes – bateria).

Francesco Costa

ULTIMAS NOTÍCIAS

Florindo o Mundo certifica mulheres e realiza aula inaugural para 2ª turma

“Uma grande capacitação que a prefeitura fez. Foram 50 mulheres capacitadas pelo Florindo o Mundo. Estou feliz e quero só agradecer pela oportunidade de estar

Um homem morre e outro fica gravemente ferido após avançarem sinal em Parauapebas

Um homem ainda não identificado morreu e outro, até o momento também sem identificação, está internado em estado grave no Hospital Municipal de Parauapebas, em

Pescado de Parauapebas está livre da doença “da urina preta”

Queda em mais de 90% nas vendas e prejuízo de quase R$ 3 milhões para toda a cadeia produtiva do peixe em Parauapebas desde o

CPI da Vale: Executivos de áreas sociais deixam perguntas sem respostas

A Vale registrou lucro líquido de R$ 30,56 bilhões no primeiro trimestre de 2021 e R$ 26 bilhões no ano de 2020. O Pará responde

Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de food service

Com sanções em vigência desde 1º de agosto último, a Lei Geral de Proteção de Dados – conhecida pela sigla LGPD – se aplica tanto

Mulher mata marido com facada no peito em Santarém

Um desentendimento familiar que culminou na morte de um homem. A motivação ainda é desconhecida. O crime chocou familiares e os moradores da região.  Uma