Diabetes: A doença que não espera a pandemia passar

Os níveis de açúcar no sangue são como uma bomba-relógio para qualquer pessoa – principalmente com as que sofrem de diabetes. Manter o controle da glicemia é fundamental para que esta “bomba” não seja acionada e sua explosão não acarrete numa série de problemas. Em tempos de pandemia, é importante frisar que a diabetes é um fator de risco para a covid-19, pois ajuda na manifestação de um quadro clínico grave para a doença e que pode resultar na morte do paciente. O cuidado para prevenir riscos é o mesmo que todo diabético deve seguir: Controlar a doença a partir do equilíbrio da taxa de glicose no organismo.

A infectologista Ana Rachel Rodrigues, médica do Sistema Hapvida, chama a atenção para a importância de as pessoas manterem o sistema imunológico fortalecido para evitar diversas doenças, incluindo a covid-19, que já matou mais de 400 mil brasileiros. “A diabetes altera todo o sistema imunológico da pessoa”, alertou. Ela explicou que no indivíduo com a diabetes a baixa imunidade está relacionada à elevação da taxa de açúcar no sangue e que as chances de complicações da covid-19 são menores – quase igual a de uma pessoa sem diabetes – se os níveis de açúcar (glicose) estiverem controlados.
Ana Rachel pontuou ainda que mesmo ainda não existindo um tratamento precoce definido para a covid-19, a prescrição de corticoides que vem sendo adotada em alguns casos pode alterar os níveis de glicose – o que complica a situação de quem tem diabetes. “Os cuidados são os mesmos e a pessoa com diabetes precisa, em qualquer circunstância, manter o controle da doença e fazer o acompanhamento profissional”, reforçou Ana Rachel, que atua no Hapvida.

A diabetes é uma doença crônica na qual o paciente tem dificuldades de produção de insulina, que é hormônio que controla a taxa de glicose (açúcar no sangue). Existem dois tipos de diabetes. A tipo 1 pode ser diagnosticada ainda na infância e nela o paciente é dependente de injeções de insulina para ter o controle da glicose. A tipo 2 se manifesta quando o sujeito já está em idade adulta e não depende da insulina para ter o controle da doença.
Independentemente do tipo de diabetes, manter controlado os níveis de açúcar no sangue diminui os riscos de complicações da covid-19. Ter uma alimentação balanceada, fazer atividades físicas e se manter hidratado ajuda a manter a imunidade mais resistente e também no controle da diabetes.

Exercícios físicos de leves a moderados – Caminhada, natação, musculação, bicicleta e exercícios aeróbicos são alguns exemplos de atividades físicas que toda pessoa pode fazer – inclusive que tem diabetes. O educador físico Raphael Furtado, explica que não há restrições de atividades para diabéticos. A única restrição é manter o controle das taxas de glicemia para poder praticar qualquer modalidade. “Toda pessoa pode – e deve – se exercitar. Isso é importante para a saúde do corpo e também da mente. No caso de quem tem diabetes, é fundamental que antes de começar com alguma atividade física, o paciente procure pelo médico que o acompanhe para saber se precisa fazer algum ajuste nas doses de insulina, caso ele tenha a diabete tipo 1”, destaca.

Raphael é professor de Educação Física na Estácio do Maranhão. Ele explica que a manutenção das doses de insulina levam em consideração o tipo de diabetes, se 1 ou 2. Isto porque na diabetes tipo 1, a pessoa é dependente da aplicação de insulina para o controle dos níveis de açúcar no sangue, logo controle da doença. O ideal é que o paciente possa verificar o nível de glicemia antes do treino e depois. “Durante a prática da atividade física o nível de glicemia pode oscilar e chegar a aumentar. É normal isso ocorrer, porém essa variação é prejudicial para quem tem diabetes. Por isso, a importância do médico ter conhecimento da atividade física que será ou está sendo praticada, assim como é importante o profissional de Educação Física ter conhecimento que aquela pessoa, aquele atleta, tenha diabetes”, frisa.

Questionado se atividades de alto impacto podem ser nocivas para quem tem diabetes, o educador físico ressalta que tais modalidades não interferem na doença, porém podem impactar nas articulações das pessoas, sejam elas diabéticas ou não. “O recomendável é que comece as atividades com intensidade leve a moderada – esta é a mesma recomendação que também damos para quem está sedentário ou iniciando uma atividade física”, orienta Raphael. “Com o passar do tempo, quando a pessoa adquire melhor condicionamento físico, o nível do treinamento pode passar para o moderado e revezado com o de alta intensidade”, prossegue.
A frequência das atividades físicas pode variar de 30 minutos a uma hora por dia, na frequência de três a cinco vezes por semana para os exercícios aeróbicos; e de duas a três vezes por semana para os exercícios de resistência, com maior impacto.
Raphael Furtado chama a atenção para a vestimenta na hora da atividade física, principalmente para quem tem diabetes. O atleta diabetico precisa obrigatoriamente usar um tênis adequado e calçar meias. Isto porque um tênis costurado, rasgado ou gasto pode provocar uma lesão ou calo nos pés, resultando em ferimentos. “A pessoa com diabetes sofre de neuropatia, que é a perda de sensibilidade nos extremos do corpo (principalmente os pés). Na atividade ela pode sofrer uma lesão e não sentir, não perceber”, pontua.
As roupas precisam ser leves, os locais de treino devem ser ventilados e arejados e a pessoa não deve deixar de se hidratar durante os exercícios. “E não deixar de verificar as taxas de glicemia antes e depois das atividades. O exercício precisa ser acompanhado por um profissional de Educação Física que precisa saber que está assistindo alguém que tem diabetes”, completa o professor.

Serviço: Medidas preventivas para evitar a contaminação pelo coronavírus:
– Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas ou que apresentem sintomas da doença;
– Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente. Se não houver água e sabonete, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
– Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
– Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
– Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;

– Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
-Manter os ambientes bem ventilados;
– Limpar e higienizar objetos e superfícies tocados com frequência;
– Manter controle glicêmico adequado, medicamentos e insulinas regularmente;
– Manter-se sempre hidratado;
– Manter sono com qualidade, assim como a alimentação;
– Evitar aglomerações e viagens para locais com casos registrados de doenças.

Sobre o Sistema Hapvida: Com mais de 7,1 milhões de clientes, o Sistema Hapvida hoje se posiciona como um dos maiores sistemas de saúde suplementar do Brasil presente em todas as regiões do país, gerando emprego e renda para a sociedade. Fazem parte do Sistema as operadoras do RN Saúde, Medical, Grupo São José Saúde, Grupo Promed além da operadora Hapvida e da healthtech Maida. Atua com mais de 37 mil colaboradores diretos envolvidos na operação, mais de 15 mil médicos e mais de 15 mil dentistas. Os números superlativos mostram o sucesso de uma estratégia baseada na gestão direta da operação e nos constantes investimentos: atualmente são 47 hospitais, 199 clínicas médicas, 47 prontos atendimentos, 172 centros de diagnóstico por imagem e coleta laboratorial.

ULTIMAS NOTÍCIAS

Bom dia segunda-feira! Rodapé (06.12.21) – Comece o dia bem informado!

Separamos as principais notícias de nossa região para você começar a segundona (06.12) por dentro de tudo! Resumo: Começa a valer hoje o passaporte obrigatório

Odontologia do Hapvida realiza encontro com dentistas da rede em São Paulo

A Odontologia do sistema Hapvida, realizou um encontro com dentistas de sua rede credenciada, no último dia 30, em São Paulo, capital. Estiveram presente profissionais

Jonas Conrado abre o jogo e diz que Adonei é o verdadeiro dono de site que ataca Mariana

A página que frequentemente faz ataques baseados em afirmações falsas contra a prefeita de Curionópolis, Mariana Chamon, pertence ao ex-prefeito da cidade, Adonei Aguiar, que

Família de Dayse, funcionária pública assassinada pelo marido, quer que julgamento seja em Parauapebas

Familiares e advogada da funcionária pública Dayse Dyana Sousa e Silva, 35 anos, assassinada em 2019 por seu esposo o pronunciante, o agente de trânsito

Natal dos Sonhos: ação social dá início às festividades em Parauapebas

É com o espírito de solidariedade que se inicia a programação oficial do Natal dos Sonhos, realizado pela Prefeitura de Parauapebas, afinal de contas, dezembro

Mais de 240 famílias de Marabá recebem títulos de propriedade registrados em cartório

Na agenda de trabalho no município, o governador Helder Barbalho também entregou recursos para melhoria estrutural em 240 moradias. Títulos já registrados em cartório foram