DELEGACIA DE COMBATE A CRIMES DISCRIMINATÓRIOS E HOMOFÓBICOS REGISTRA CRESCIMENTO NAS DENÚNCIAS

Números preocupantes acerca de crimes discriminatórios e homofóbicos

No mês de combate à LGBTfobia, o Pará traz números crescentes de denúncias de injurias e de difamações na Delegacia de Combate a Crimes Discriminatórios e Homofóbicos. Vinculada à Diretoria de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAV), a delegacia foi criada em 2009 e é responsável pela apuração de casos de homofobia, injúria racial, racismo, tráfico de pessoas e crimes contra pessoas com deficiência. Somente até o mês de abril de 2018, a Delegacia de Combate a Crimes Discriminatórios e Homofóbicos já registrou 56% do total conferido em 2017.

Foram 14 denúncias até aqui e 25 registradas durante o ano de 2017. Em 2016, foram 28 ocorrências, e em 2015, 21. “A gente tem observado que a nossa delegacia vem crescendo e se tornando conhecida. Um dos nossos objetivos é popularizá-la, justamente para que as pessoas saibam que existe um lugar específico para se denunciar a homofobia”, disse a delegada Hildenê Falqueto, titular da Delegacia de Combate aos Crimes Discriminatórios e Homofóbicos (DCCDH).

APOIO

A Delegacia já recebeu dois prêmios da comunidade LGBT pelos serviços prestados e vem se destacando no apoio à causa. A delegacia faz parte de um comitê estadual de combate à homofobia, um órgão estadual com a participação de instituições como a Defensoria Pública e Polícia Civil. No último dia 17 de maio, a delegacia marcou presença na Segunda Marcha de Enfrentamento à LGBTfobia.

“Nosso objetivo ao participar dessa marcha foi também fazer com que as pessoas conheçam a nossa delegacia e o Comitê, e a gente acredita que esse objetivo está sendo alcançado, porque várias pessoas têm nos procurado, e a delegacia tem alcançado um patamar bem significativo”, destacou a delegada. Por não haver uma legislação específica sobre homofobia, a maioria dos crimes homofóbicos é classificada como injúria.

A pena é o pagamento de cestas básicas e a prestação de serviços à comunidade. É importante esclarecer que qualquer pessoa pode denunciar maus-tratos contra idosos ou homossexuais, mesmo sem ter sido a vítima da agressão. Para isso, funcionam os serviços Disque Denúncia, o “Disque 100”, da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, e o 181, da Polícia Civil do Pará.

Serviço: A Delegacia de Combate aos Crimes Discriminatórios e Homofóbicos funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 18 h, na Rua Avertano Rocha, 417, Bairro Cidade Velha. Telefone: (91) 3212-3626.

ULTIMAS NOTÍCIAS

Florindo o Mundo certifica mulheres e realiza aula inaugural para 2ª turma

“Uma grande capacitação que a prefeitura fez. Foram 50 mulheres capacitadas pelo Florindo o Mundo. Estou feliz e quero só agradecer pela oportunidade de estar

Um homem morre e outro fica gravemente ferido após avançarem sinal em Parauapebas

Um homem ainda não identificado morreu e outro, até o momento também sem identificação, está internado em estado grave no Hospital Municipal de Parauapebas, em

Pescado de Parauapebas está livre da doença “da urina preta”

Queda em mais de 90% nas vendas e prejuízo de quase R$ 3 milhões para toda a cadeia produtiva do peixe em Parauapebas desde o

CPI da Vale: Executivos de áreas sociais deixam perguntas sem respostas

A Vale registrou lucro líquido de R$ 30,56 bilhões no primeiro trimestre de 2021 e R$ 26 bilhões no ano de 2020. O Pará responde

Como a Lei Geral de Proteção de Dados se aplica ao setor de food service

Com sanções em vigência desde 1º de agosto último, a Lei Geral de Proteção de Dados – conhecida pela sigla LGPD – se aplica tanto

Mulher mata marido com facada no peito em Santarém

Um desentendimento familiar que culminou na morte de um homem. A motivação ainda é desconhecida. O crime chocou familiares e os moradores da região.  Uma