20 de junho de 2021

Alimentação equilibrada é ainda mais importante em tempos de isolamento

O corpo humano é formado por estruturas das mais simples como as células, até as mais complexas como os órgãos. O nível de organização do corpo humano é a seguinte: células, tecidos, órgãos, sistemas e organismo. Cada uma dessas estruturas consiste em um nível hierárquico até a formação de todo o organismo.
Para manter o organismo vivo, conforme explicado pela nutricionista Marta Sheila, do Sistema Hapvida, é necessário alimentar todo esse sistema. “Apesar de tantos milhares de anos que a humanidade está na terra, ainda não aprendemos a nos alimentar corretamente. Pois, nos prendemos nos sabores e no que enche o estômago. Quando na verdade os tipos de alimentos e como são consumidos fazem toda a diferença”, explica Marta Sheila, detalhando que tudo se inicia na boca onde a saliva já inicia o processo de digestão devendo ser feita uma boa mastigação.

Marta Sheila, nutricionista


A nutricionista resume que a enzima amilase salivar (ptialina) “quebra” as grandes moléculas de amido (existentes nos carboidratos – pão, macarrão, etc.) em moléculas menores. Da boca, o bolo alimentar desce pela faringe, pelo esôfago e chega ao estômago onde ocorre produção de suco gástrico; a pepsina (outra enzima), em meio ácido (presença de ácido clorídrico), inicia a “quebra” das proteínas. Do estômago, o bolo alimentar passa ao intestino delgado, onde será banhado por sucos digestivos produzidos pelo pâncreas, pelo fígado e pela parede do intestino. “A absorção da maior parte dos nutrientes ocorre no intestino delgado, enquanto a absorção de água se dá principalmente no intestino grosso, que é a parte final do trato intestinal. No entanto, antes de serem absorvidos, os alimentos precisam ser quebrados em partes menores, processo que inicia desde a mastigação”, afirma
Marta Sheila, listando alimentos que ajudam na digestão e aceleram o trânsito intestinal, equilibrando o PH estomacal e intestinal, alcalinizando o intestino e melhorando o processo absortivo.
São eles: Chás de hortelã, de gengibre, de casca de abacaxi; frutas cítricas (laranja, abacaxi, limão), água com limão, e comer maçã.
A nutricionista recomenda ainda que os idosos, durante o isolamento, devem manter o consumo de frutas e vegetais, proteínas magras, ovos, fibras alimentares (vegetais e frutas) e/ou adicionar pelo menos 1 colher de sopa de linhaça, aveia ou chia, por exemplo. “Mas, é importante o controle das quantidades alimentares, visto que o gasto energético será menor. Evitar adição de açúcar e excesso de sal às preparações, e ingerir, no mínimo, dois litros de água por dia”, recomenda Marta Sheila, dando por importante o consumo de alimentos que melhoram a imunidade: própolis, gengibre, açafrão, suco verde, vegetais, frutas diversas, ovos, inhame, castanha do Pará etc.
De acordo com a opinião da nutricionista, em períodos de isolamento não é apenas a saúde física que requer atenção, já que a mudança de rotina e a privação do contato humano tem influenciado também na saúde mental. Por isso, ela também indica que alguns alimentos podem ser inseridos e assim ajudar na saúde mental: banana, aveia, castanha do Pará, castanha de caju, abacate, nozes, chocolate amargo, omega 3, linhaça etc. “E, acima de tudo, sempre beber bastante água; monitorar a frequência de evacuação e a consistência das fezes; tomar sol e se exercitar, mesmo que em casa”, conclui Marta Sheila.

Comentários do Facebook