19 de junho de 2021

No Pará, jornalista é alvo de intimidação por denunciar governador por práticas de corrupção

Não vão me amedrontar e vou continuar meu trabalho. É uma ação arbitrária, surreal, o chefe do executivo estadual usar o poder Judiciário para intimidar um jornalista”, afirmou o jornalista Ronaldo Brasiliense, vítima de uma ação de intimidação na tarde desta terça-feira, 16 de junho, em sua casa na cidade de Óbidos, interior do Pará, onde quatro policiais civis, cumprindo um mandado de busca e apreensão, revistaram sua casa de onde levaram, instrumentos de trabalho do jornalista, sendo lap top Dell e um outro lap top HP, sem uso há vários anos e um parelho de telefone celular Motorola; também apreenderam 128 exemplares da revista “Pará em Foco”, que traz na capa uma foto do governador, quando ele estava em campanha, em 2018, e a manchete: “Helder cai na Lava Jato”.

Como ficou a casa de Ronaldo Brasiliense, após três horas de busca e apreensão da Polícia Civil do Pará

A diligência foi determinada pelo juiz Heyder Tavares da Silva Ferreira, da Primeira Vara de Inquéritos Policiais e Medidas Cautelares de Belém, a 800 km do local; que, segundo fontes em Belém, teria ligações com a família do governador do Pará, Hélder Barbalho, filho do senador Jáder Barbalho, ambos do MDB. Porém, Segundo Ronaldo, que leu o documento, o mandado não especificava o motivo da busca e apreensão e nem mesmo quais os objetos que se pretendia apreender, continha apenas a ordem de que: “Descoberta a coisa que se procura, será imediatamente apreendida e posta sob custódia da autoridade ou de seus agentes, devendo os executores, finda a diligência, lavrar auto circunstanciado, assinado com duas testemunhas presenciais.”




Essa não é o primeiro ato de intimidação feita contra o jornalista Ronaldo Brasiliense, que vem denunciando através de matérias as compras e contratos com suspeitas de superfaturamento e fraude, por parte do governo do estado. Um desses contratos – para compra de respiradores – motivou a operação Para Bellum, da Polícia Federal, em que a casa do governador e o palácio do governo foram alvo de busca e apreensão.
Ronaldo já responde a um outro processo movido por Helder Barbalho por conta de uma nota que postou no facebook, quando o atual governador era Ministro da Integração Nacional, no governo de Michel Temer. Na nota, Ronaldo qualificou o então ministro como “sem noção” e “sem escrúpulos”. O jornalista foi condenado em primeira instância, mas seguiu recorrendo e hoje o caso aguarda julgamento no Supremo Tribunal Federal.


O jornalista também denunciou na revista “Pará em Foco”, em plena campanha em 2018 para se eleger a governador do Estado, com chamada na capa com uma foto de Helder, e a manchete: “Helder cai na Lava Jato”. A matéria se refere à delação do então presidente da Odebrecht Ambiental, Fernando Reis, de que Helder teria recebido R$ 1,5 milhão de caixa-dois para sua campanha. A denúncia deu origem a uma ação penal.


Os motivos são evidentes ingredientes para motivar a perseguição contra o jornalista que, do alto de 43 anos de profissão, diz não lembrar ter passado por tamanha truculência nem por semelhante constrangimento e intimidação. “O Judiciário, que deveria proteger o cidadão, está sendo usado, com todo o seu peso, contra o cidadão, em uma ação de vingança pessoal, sem fato determinado”, conclui Ronaldo, que começou sua carreira ainda sob a ditadura militar.

Prêmios – Ronaldo Brasiliense tem mais de 40 anos de profissão, e é o mais premiado da Amazônia neste século, segundo o ranking nacional do Portal dos Jornalistas Brasileiros (Jornalistas e Cia). Detentor de dois Prêmios Esso – o mais importante da imprensa brasileira -, e duas vezes vencedor do Prêmio AMB. Também ganhou prêmios da Embratel, Petrobras, Abril, Aimex e muitos outros, sempre na linha de frente no combate à corrupção nos governos, em defesa dos direitos humanos, do meio ambiente da Amazônia.

Ronaldo Brasiliense é vencedor de prêmio nacionais, como o Esso, um dos mais importantes do jornalismo brasileiro

Por: San Diego DRT/PA 3236

Comentários do Facebook