24 de junho de 2021

Moradora de Ananindeua denuncia que não consegue atendimento para familiar com suspeita de coronavírus

“Então, esse recado é para o nosso governador, governador do estado do Pará, Helder Barbalho, e pro prefeito Manoel Pioneiro e pro secretário de saúde de Ananindeua. Vocês vão esperar que o meu familiar morra pra virar uma estatística, pra vocês dizerem depois que o covid-19 mata? O que mata é a falta de respeito de vocês!”

Quem disse o trecho reproduzido acima foi Maria, uma mulher moradora do bairro de Águas Brancas, periferia de Ananindeua, com olhos marejados, publicou um vídeo denunciando a falta de assistência das autoridades de saúde de Ananindeua e do Pará para uma sobrinha sua que está com os sintomas de Covid-19, inclusive com dificuldades de respiração, mas é ignorada pelas unidades de saúde do município.

Maria diz no vídeo que sua sobrinha está há mais de 15 dias com suspeitas de contaminação pelo coronavírus e não consegue realizar o teste. Ela tem recebido a resposta que tem que esperar 7 dias, que seria o período de incubação do vírus. Maria denuncia ainda que o caso de sua sobrinha é notificado pela secretaria de saúde de Ananindeua, mas depois a própria secretaria diz que não há notificação.

O “período de incubação” se refere ao tempo entre a infecção do ser humano pelo vírus e o início dos sintomas da doença. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), no caso da Covid-19 esse intervalo varia de 1 a 14 dias, geralmente ficando em torno de 5 dias.

“Ela tá na casa dela, piorando cada dia mais, sem atendimento médico nenhum porque foi procurar atendimento na UPA da Cidade Nova e foi recusada. A doutora que diz que atendeu ela, falou pra ela que era pra ela ir embora pra casa, que ela nem deveria ter saído de casa porque ela estaria contaminando os outros nas ruas. Então, quer dizer ela tem que esperar morrer em casa pra ela virar uma estatística?”

Maria diz que isso é negligência do governo e dos órgãos públicos de saúde que não estão prestando assistência correta nesse momento em que estamos vivendo uma situação delicada devido a pandemia de coronavírus.

A negligência é tanta, que a paciente está há 15 dias piorando, com falta de ar, usando bombinha na frente dos profissionais de saúde e mesmo assim não consegue o atendimento adequado.

“Isso não é justo, isso é desumano! Será que eu vou ter que pegar o meu familiar, botar numa cadeira de roda e levar lá para o aeroporto e fazer de conta que desembarcou de um avião pra fazer um teste porque só quem tem dinheiro merece fazer o teste?”, questiona Maria.

A senhora diz que não sabe mais a quem recorrer. A sobrinha só teria tido algumas assistência no posto de saúde da família de Águas Brancas, porém o local não possui a estrutura que ela precisa.

Maria pede ajuda dos amigos do facebook para ajudar a compartilhar o vídeo para que chegue ao governador Helder Barbalho e ao prefeito Manoel Pioneiro de modo que seja tomado alguma atitude sobre a situação do seu familiar. O vídeo está, no momento, com 13 mil visualizações e 1,4 mil compartilhamentos. Por: Pará Web News

Veja o video:

Comentários do Facebook