DATA:15 de dezembro de 2019

Vereadora Eliene Soares acompanha caravana de agricultores em municípios no Sul do Brasil

Essa não é a primeira demonstração de que a vereadora Eliene Soares (MDB) se preocupa com o homem do campo nem que incentiva a organização destes em regime de cooperativa. Prova disso é a Indicação Nº 169/218, de autoria da vereadora Eliene Soares (MDB) quando indicou que seja instituído a política de apoio e incentivo ao Cooperativismo e Associativismo no município de Parauapebas. “Não há dúvida de que o cooperativismo é um dos caminhos viáveis para se chegar ao desenvolvimento de uma sociedade. A dificuldade de crescimento do setor envolve a combinação perversa entre a falta de investimento em educação, o que naturalmente estimula a cooperação e o não reconhecimento dos Poderes Públicos à especificidade do cooperativismo que é uma doutrina que propaga o empreendedorismo, a valorização da pessoa humana, a democracia, o desenvolvimento social e econômico”, conta Eliene Soares, detalhando que na Europa 45% da população é cooperativada, e, nos Estados Unidos 35%, enquanto que no Brasil são apenas 5%.

Mas, com o objetivo de ver na pratica para entender melhor, a vereadora Eliene Soares, fez parte da Caravana de Intercâmbio, uma iniciativa da Prefeitura Municipal de Parauapebas, através da SEMPROR – Secretaria Municipal de Produção Rural, formada por agricultores, estudantes universitários, técnicos da SEMPROR, representante da mineradora Vale e o prefeito Darci Lermen, tendo como objetivo buscar agregar conhecimento e oportunidade para fomentar a economia local através do aumento da produção.
A vereador acompanhou a Caravana de Intercâmbio por municípios gaúchos e catarinenes, estando na programação visita os acampamentos do MST – Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra, a iniciar pelo Assentamento Vitória na Fronteira, no município Catarinense Dionísio Cerqueira, onde a programação iniciou com a visita à Cooperativa de Produção Agropecuária União do Oeste – Cooperunião, do Assentamento Conquista na Fronteira, uma área de 1.198 hectares tendo 54 famílias assentadas trabalhando de forma coletiva e desenvolvendo atividades produtivas em bovinocultura de leite à base de pasto, complementado com silagem e ração, tratamento homeopático; cultivos de erva mate e produção de grãos como, por exemplo, milho e soja em cultivo tradicional; produção de alimentos orgânicos como verduras, frutas, arroz, feijão, etc.; agroindúltria, abatedouro/frigorífico de aves com capacidade de 3.500 aves por hora e produção de peixes.
Dali a vereadora acompanhou a caravana que seguiu para o município de São Miguel D’Oeste, também em Santa Catarina, onde visitaram a Agroindústria da Cooperativa Regional de Comercialização do Estremo Oeste (COOPEROESTE). A próxima parada foi no município Gaúcho de Veranópolis, onde visitou o Instituto Josué de Castro. Na tarde do mesmo dia, juntamente com os agricultores, Eliene Soares, visitou a fábrica de sucos em Cotiporã, também no Rio Grande do Sul. Outro município gaúcho que também recebeu a visita da caravana foi Bento Gonçalves, para conheceram a indústria vinícula Aurora.

O grupo chegou na região da capital gaúcha, visitando o Assentamento Capela, no município de Nova Santa Rita; ali visitou a Cooperativa de Produção Agropecuária que realiza cadeia produtiva e industrialização de arroz orgânico, além da criação e abatedouro/frigorífico de suínos e produção leiteira; produção sem agrotóxicos, social e ambientalmente responsável.

Ainda em Rio Grande do Sul, Eldorado do Sul, a visita foi no Assentamento Lanceiros Negros, onde visitaram a Cooperativa dos Trabalhadoes Assentados da Região Porto alegre. O intercâmbio terminou com a visita à Cooperativa de Produtos Agropecuários do Assentamento de Charqueados (COPAC).

“Em nossa sociedade precisamos criar alternativas de organização social que propiciem a geração de trabalho e renda para as pessoas. Levando-se em conta que o cooperativismo é lotado de valores e princípios democráticos e de igualdade, podemos considerar que o ensino do cooperativismo nas escolas pode refletir na formação de pessoas com mais; consciência crítica, valores democráticos e que sejam, acima, de tudo, empreendedoras”, avalia Eliene Soares, dizendo ser imprescindível que o Poder Público adote uma política de apoio ao cooperativismo.

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *