26 de fevereiro de 2020

Quase 24 horas de protesto, 12 km de engarrafamento e, PA-279, em Ourilândia, segue fechada nesta terça-feira

Hoje, terça-feira, 29, já são quase 24 horas de protesto na PA-279, organizado por garimpeiros, no município de Ourilândia do Norte, em frente ao Aeroporto Municipal. De acordo com um dos organizadores da manifestação, a via será liberada agora pela manhã, às 11h30, por uma hora (30 minutos para cada lado), depois disso, somente às 17h30. No local, um enorme engarrafamento de pouco mais de 12 km (nos dois sentidos da via) se formou desde o início da manifestação.

Ainda de acordo com informações dos organizadores da manifestação, já passaram pelo local, desde o início do ato, aproximadamente 5 mil garimpeiros em apoio a ação. “Nós só pretendemos encerrar nosso ato, quando formos atendidos pelo Governo Federal. Estamos aqui para mostrar que somos trabalhadores, não estamos destruindo terras indígenas, para ter que ver o Ibama chegar, recolher nossos materiais de trabalho e destruir. Isso não é justo. Muitos dos nossos equipamentos são financiados pelo BNDS e no fim, quem é que paga a conta quando eles destroem nossos patrimônios?”, comenta o manifestante sem querer se identificar.

Segundo informações, os líderes do protesto já entraram em contato com o senador Zequinha Marinho, senador Jader Barbalho, deputado Joaquim Passarinho entre outros, solicitando apoio para que este impasse seja solucionado o mais breve possível e tudo volte a sua normalidade. “O que nós queremos, nada mais é do que segurança jurídica, para continuar com nossos trabalhos de forma que tenhamos paz e garantia de que nada irá nos acontecer no futuro”, conclui o garimpeiro.

LIBERAÇÃO E SEGURANÇA

A Polícia Militar, deste a tarde do dia 28, quando iniciou o protesto na PA-279, está acompanhando o ato e, garantindo a segurança e a liberação parcial da via, principalmente para casos mais urgentes.

“Estamos aqui conversando com a liderança e pedindo que eles conduzam o protesto de forma organizada e consciente, fazendo concessões para caminhoneiros que tenham cargas perecíveis de modos que não estrague sua mercadoria, pois tem um prazo de validade e, que liberem também os caminhões que transportam cargas vivas, para garantir a saúde dos animais e, obviamente, que ambulâncias ou veículos que requerem a trafegabilidade por questões de saúde, sejam liberados imediatamente. Até o momento, tudo está ocorrendo dentro do combinado”, destaca o tenente coronel Tadaiesky.

Para os demais veículos, a via só é liberada de 6 em 6 horas.

Fonte: Fato Regional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *