24 de junho de 2021

Morre o cantor e compositor Ivan Cardoso aos 56 anos em Parauapebas

O músico e compositor paraense Ivan Cardoso, conhecido no meio musical como “Moleque Tinhoso”, morreu vítima de um infarto na noite deste sábado, 12, no município de Parauapebas, sudeste paraense. O corpo do artista será velado e enterrado em um cemitério particular em Belém.

Pelas redes sociais, a família do artista comunicou amigos e fãs que acompanhavam a vida do artista:

É com imenso pesar e tristeza que a família Cardoso comunica o falecimento do seu maior artista, Ivan Cardoso, músico e compositor paraense, conhecido no meio musical como Moleque Tinhoso. Sua morte inesperada nos deixou muito surpresos, mas esperamos que ele possa estar em um lugar melhor.

O falecimento ocorreu no município de Parauapebas onde estava residindo e o corpo está sendo trasladado para Belém, com previsão de chegada no final da tarde.

Agradecemos a todas as mensagens de conforto recebidas até agora. Elas só mostram o quanto ele era querido por todos, com seu profissionalismo, alegria, companheirismo e talento musical. Devemos sempre lembrá-lo com alegria, gratidão e muita saudade.

Aos que desejarem prestar as últimas homenagens, comunicamos que o velório será realizado a partir das 19h de hoje (13/10), no Memorial Max Domini, localizado na Av. José Bonifácio, 1550 – Guamá, Belém – PA. E o sepultamento será realizado no dia 14/10, às 15h, no Cemitério Max Domini I, localizado na Rua Leopoldo Teixeira, 100 – Levilândia, Ananindeua/PA.

Agradecemos antecipadamente a presença de todos.
De sua esposa, seus filhos, seus irmãos, seus sobrinhos, seus amigos e demais familiares.

Trajetória

Ivan Cardoso nasceu no município de Cametá, ainda criança, aos 8 anos, se apaixonou pela música e começou a tocar. Aos 15, já se apresentava em festivais de música. No ano de 2000, Ivan foi selecionado como único representante da região Norte para tocar no Festival de Música Brasileira, da Rede Globo. A música “Moleque Tinhoso” disputou com 24.190 composições e ficou entre as 48 finalistas. O título carimbou, em 2001, o primeiro dos quatro CDs independentes que ele lançou.

Depois de “Moleque Tinhoso”, vieram “Ritual”, em 2006, “No Reino da Carimbolândia, em 2012”, e “Brazônida”, no ano seguinte. Em 2013, Ivan preparou o show “Resumo”, com apresentações em Belém das músicas dos seus quatro álbuns produzidos.

As letras eram carregadas de sentimento amazônida, transcreviam o cotidiano do caboclo, do índio, do pescador, do negro, da cultura. E eram também universais e poéticas. Com parceiros, como Alfredo Moraes, compôs “Sonho e Viagem”, que à época foi uma das mais tocadas na rádio Cultura. (Roma News)

Comentários do Facebook