18 de junho de 2021

FAMÍLIA DE RIBEIRINHOS É CONTAMINADA COM DOENÇAS DE CHAGAS

MARAJÓ

Uma família de nove pessoas foi toda contaminada com a doença de Chagas no município de Curralinho, no arquipélago do Marajó. Eles moram às margens do rio Assurana, em uma localidade que leva cerca de uma hora de barco para chegar na sede da cidade. As únicas fontes de sustento são a pesca e o extrativismo vegetal, praticados pelo pai. Mas, Odileno Pinheiro também está contaminado e sem condições de trabalhar.

A mãe das crianças, Elisângela Bararuá, teve que deixar de amamentar o bebê de dois meses por causa da medicação forte, após ser levada para o hospital municipal de Curralinho, juntamente com o marido e os filhos, todos com sintomas da doença.



Odileno e a esposa com os filhos. Todos padecem com os sintomas da Doença de Chagas

Segundo o secretário de Saúde de Curralinho, Haroldo Costa, a família fez exames, a maioria deu positivo, mas deu negativo para o pai Odileno Pinheiro, apesar dele está com todos os sintomas da doença de Chagas. Eles foram medicados, mas preferiram retornar para casa e voltar ao hospital na próxima segunda-feira, 5, a fim de serem novamente atendidos.

O secretário assegura que já fez um pedido à Secretaria Estadual de Saúde para ajudar no controle da doença, que está se alastrando pelo município.

A doença de Chagas é transmitida por um parasita encontrado nas fezes de alguns insetos, principalmente do barbeiro, muito encontrado nas palmeiras de açaí da Amazônia.

Os principais sintomas da doença são: febre, mal estar, inchaço no olho, vermelhidão, muita dor de cabeça, náusea, vômito, surgimento de nódulos, aumento do tamanho do fígado e baço, entre outros.

Em agosto deste ano, outros surtos de doença de Chagas foram detectados pela Sespa no Pará. No município de Acará, região do baixo tocantins, duas famílias interiras foram contaminadas, após consumir açaí com fezes do barbeiro, segundo constatou o Instituto Evandro Chagas.

As seis crianças foram contaminadas pela Doença de Chagas

Equipe escolar faz campanha para ajudar a família contaminada com Doença de Chagas

Quem detectou os sintomas nas crianças foram as professoras da Escola Municipal Professor Francisco Carlos Martins, que fica próxima uns dez minutos de barco da localidade, onde a família do pescador mora.

Regiane Barreto, é professora do 6º ao 9º ano na escola e percebeu que três deles apresentavam sintomas, como dor de cabeça, febre, vermelhidão, muito mal estar e informou à diretora Luciene Azevedo. Então, a equipe da escola constatou que os seis irmãos estavam apresentando os mesmos sintomas. São crianças de 15, 13, 11, 9, 7, 5, e 3 anos, além dos pais.

A equipe escolar foi até à casa dos alunos e confirmou que além das crianças, os pais também estão sofrendo com as mesmas mazelas e acionou os agentes de saúde do município. Toda família foi levada para o hospital, onde fizeram exames e foram atendidos no setor de epidemiologia.

As crianças passam o dia deitadas por causa dos fortes sintomas da Doença de Chagas

A diretora e toda comunidade escolar decidiu fazer uma campanha solidária no município para ajudar a família. Eles explicam que a família é muito carente, vive em condições precárias e precisa de solidariedade. “Percebemos que os pais não têm muito entendimento sobre o grau da doença. Isso nos preocupa muito, principalmente a situação do bebê de apenas dois meses, que nem mamar pode mais porque a medicação para combater a doença é muito forte e pode afetar a saúde do bebê”, explica a diretora.

Por isso, a comunidade escolar resolveu ajudar a arrecadar alimentos, leite para o bebê e as outras crianças, roupas e sapatos, material de higiene pessoal. “Essas crianças já apresentaram outras vezes, casos de malária. Alguns deles, já tiveram a doença mais de uma vez. Eles precisam muito ser ajudados”, informou a diretora da escola Francisco Carlos Martins. Reportagem aqui.

Comentários do Facebook


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *