23 de junho de 2021

O PARAZÃO E O SEXTO COLOCADO ENTRE OS ESTADOS MAIS VIOLENTOS DO BRASIL

Medo, terror e pânico são palavras que não saem mais do discurso dos paraenses em relação a atual situação vivida, principalmente no interior do estado. A insegurança que toma conta de todos, alcançou até os próprios agentes de segurança pública. As mais de 30 mortes de agentes de segurança e a onda de assassinatos violentos que acontecem cotidianamente na capital e no interior, assustam a população.

Segundo dados do Ranking Nacional de Homicídios, o Pará ocupa a sexta posição entre os estados mais violentos do Brasil, atrás de Sergipe (5º), e seguido de Pernambuco (7°), Alagoas (8°), Amapá (9°) e Bahia (10°). De acordo com o levantamento, os dez estados mais violentos estão no Norte e Nordeste.



A situação mais dramática é a de Roraima, estado com a maior taxa de mortes violentas do Brasil no primeiro semestre de 2018. Em janeiro de 2017, o estado foi palco de uma rebelião no sistema penitenciário promovida pela disputa entre facções que causou 31 mortes.

Os estados do Rio Grande do Norte, Ceará e Acre, respectivamente na segunda, terceira e quarta posição do ranking nacional de homicídios, também enfrentam situações dramáticas, decorrentes de rivalidades entre facções originadas nas prisões, mas que se espelharam para os bairros pobres.

A crise da violência no Rio Grande do Norte se acentuou no ano passado, quando o estado registrou a maior taxa de homicídios do Brasil. A rebelião em Alcaçuz, em janeiro de 2017, com 26 mortos, ajudou a acirrar a rivalidade entre grupos criminais do estado, que cresceu ainda mais diante da fragilidade fiscal e política do governo local, que enfrentou greve de polícias ao longo do ano.

Todos esses lugares citados, correm o risco de encerrar 2018 com taxas acima de 50 por 100 mil habitantes caso as autoridades não consigam implementar políticas capazes de reverter a situação em curto prazo e reduzir o ritmo de violência.

Fonte: G1

Comentários do Facebook


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *