19 de junho de 2021

PARAUAPEBAS NÃO TEM CASOS DE FEBRE AMARELA DESDE 2008

A febre amarela é uma doença infecciosa febril aguda e que pode ser prevenida com a vacinação de uma doses. O vírus é transmitido pela picada do mosquito transmissor infectado, principalmente das espécies Aedes e Haemagogus e não por macacos, como vem sendo propagado equivocadamente em algumas redes sociais.

Já o tratamento é apenas sintomático, com cuidadosa assistência ao paciente que, sob hospitalização, deve permanecer em repouso, com reposição de líquidos e das perdas sanguíneas, quando indicado.
A transmissão nos centros urbanos só é possível através da picada do mosquito Aedes Aegypti, a prevenção do contágio deve ser feita evitando a disseminação deste mosquito que também é transmissor de outras doenças. Qualquer recipiente como caixas d’água, latas e pneus contendo água limpa e parada, são ambientes ideais para que a fêmea do mosquito ponha seus ovos, de onde nascerão larvas que, após desenvolverem-se se tornarão novos mosquitos.



Com o surto da Febre Amarela no Brasil, surgiu na população de Parauapebas uma grande preocupação, pois como o mosquito Aedes Aegypti é um transmissor da doença e na cidade e estado do Pará o índice das doenças transmitido pelo mosquito é auto, provocou-se a insegurança das pessoas. Mas Michele Ferreira, diretora do departamento de vigilância e saúde, garante que a doença não tem registro na cidade desde 2008 e não há motivos para o alarde no município.
“Os moradores que forem viajar para os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, onde os casos da doença são grandes desde o final de 2017, é bom garantir a imunização, feita através da vacinação” diz Michele.

FEBRE AMARELA NO PARÁ

No Esta do Pará, houve vinte três (23) registros, com treze (13) casos descartados e dez (10) ainda sob análise.
Moradores do município de Marituba, na Grande Belém, estão apreensivos com o caso do macaco que foi encontrado morto na manhã do último sábado (27). O animal foi encontrado em um extenso terreno onde estão situadas várias casas de uma mesma família. De acordo com a comunidade, existem diversos casos na vizinhança de pessoas com suspeitas de doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti, como dengue e chikungunya, por ser uma área de mata.
O Departamento de Vigilância em saúde de Marituba, esclarece que amostras do macaco foram encaminhadas ao Instituto Evandro Chagas (IEC) para análise e identificação da causa da morte. O resultado deve sair até sexta-feira, dia 2 de fevereiro.
O Ministério da Saúde atualizou as informações repassadas pelas secretarias estaduais de saúde sobre a situação da febre amarela no país. No período de monitoramento (de 1º de julho/2017 a 30 de janeiro de 2018), foram confirmados 213 casos de febre amarela no país, sendo que 81 vieram a óbito. Ao todo, foram notificados 1.080 casos suspeitos, sendo que 432 foram descartados e 435 permanecem em investigação, neste período.

Adersen Arantes/Da Redação Do Parazão Tem De Tudo

Comentários do Facebook
Share