25 de junho de 2021

EM PARAUAPEBAS, TERRENOS BALDIOS SE TRANSFORMAM EM CRIADORES PARA A PROLIFERAÇÃO DO MOSQUITO DA DENGUE

Várias áreas abandonadas no município tem se tornado criadouros do Aedes Aegypti

Com a chegada do período chuvoso é hora da população ficar atenta e começa a ter cuidados para não acumular água em recipientes que sejam propício à proliferação do Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue, Zika Vírus e Chikungunya.

E apesar dos cuidados e orientações por parte dos órgãos de saúde pública, o perigo muitas vezes mora ao lado. Os terrenos baldios e os lixos que se acumulam nesses locais se tornam criadores do mosquito que põe as larvas em água parada acumulada muita das vezes em pneus, copos, garrafas e latas entre outros vasilhames.

Em Parauapebas, Sudeste do Pará, o lixo descartado em terrenos abandonados e a falta de manutenção dessas áreas podem aumentar o foco do mosquito Aedes Aegypt nos bairros do município.

Em alguns bairros é possível flagrar a situação de recipientes que acumulam água da chuva em terrenos baldios. O bairro Cidade Jardim é um exemplo onde existe terrenos abandonados com acúmulo de lixo e mato, combinação que não faz bem à saúde da população, principalmente nesta época do ano.

Quem reside às proximidades desses locais demonstram sinais de preocupação com a doença. Ainda mais, se já foi picada pelo mosquito adquirindo dengue, zika vírus, chikungunya.

” Com a chegada do inverno seria bom que os proprietários dessas áreas ou que as empresas responsáveis pela venda dos lotes realizassem a limpeza frequente, retirando principalmente os recipientes que acumulam água. Mas, a população também precisa fazer a sua parte e não jogar os resíduos nesses locais para que ela mesma não se torne vítima da falta de conscientização.” Ressaltou a moradora do bairro Cidade Jardim, Iracema Cesário que já teve dengue por duas vezes.

Para combater a proliferação do mosquito os agentes de endemias da Secretaria de Saúde do município percorrem os bairros de Parauapebas levando informação e orientação a população dos cuidados necessários para combater o mosquito transmissor das doenças.

Comentários do Facebook
Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *