21 de janeiro de 2021

Corrupção, miséria e descaso

Não há dúvida da importância da ferrovia Carajás para economia do Brasil e para geração de empregos. Mas quem vive perto dos trilhos sabe que essa não é uma história apenas de progresso. Por onde o trem passa, deixa uma realidade de sofrimento, miséria e corrupção.
O vai e vem constante dos vagões dita o ritmo da vida em parte da região Norte e Nordeste do País. Nossa viagem seguiu os trilhos da estrada de ferro, desde a Serra dos Carajás, no Pará, onde fica a maior mina de minério de ferro a céu aberto do planeta, até São Luís, no Maranhão.
Do porto da capital, a riqueza levada pelos vagões segue para exportação. São quase 1000 km de trilhos que atravessam 28 cidades e uma centena de povoados e pequenas comunidades. Um único trem puxa 34 toneladas de minério de ferro.
Muitos acidentes aconteceram, a vida à beira dos trilhos é sempre arriscada. Mãe e filho quase morreram debaixo da locomotiva em movimento.
O trem estava parado na linha, impedindo a travessia dos pedestres. Foi quando muita gente começou a atravessar por baixo dos vagões. Mas no momento em que Adriana com seu bebê no colo tentou fazer o mesmo, o trem se moveu rapidamente.
“Ficamos presos debaixo do trem. Pensei que fôssemos morrer. Trezentos vagões passaram por cima de mim, toneladas de ferro. Eu perdi dois dedos e uma parte da mão. Derik teve que amputar o braço”, relembra Ediana, emocionada. Muitos atropelamentos infelizmente terminam em luto, Simone perdeu a filha de 16 anos atropelada pelo trem. O acidente aconteceu há cinco meses. Cleane comemorava o Dia dos Pais com a família. Na volta pra casa, encontrou os vagões parados e tentou atravessar por baixo deles. “Só me lembro de ter ouvido o grito dela”, conta a mãe. Dinheiro que deveria ter sido investido na educação e saúde dos mais pobres. Mas, segundo autoridades, foi parar nas mãos de ex-prefeitos, empresários e servidores públicos. Dôssie Carajás nesta quinta (7), a partir das 22h30 a nova estreia da temporada do programa Repórter Record Investigação

Comentários do Facebook
Share