24 de novembro de 2020

Saída temporária do Círio: 500 presos deixam penitenciárias paraenses


De 500 presidiários, 296 estão com a tornozeleira para monitoramento eletrônico e 181 sem monitoramento.

Quase 500 presos receberam o benefício da saída temporária, nesta terça-feira, 20, referente aos festejos do Círio. Do total, 296 estão com a tornozeleira para monitoramento eletrônico e 181 sem monitoramento, com retorno marcado para o dia 27. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) desenvolveu um planejamento para garantir a organização das saídas, assim como foi feito na liberação do dia dos pais. Neste planejamento as saídas foram fracionadas em sete grupos.

Neste primeiro dia, as unidades liberadas foram Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel (CPASI), Centro de Progressão Penitenciária de Belém (CPPB), Centro de Recuperação do Coqueiro (CRC), Centro de Recuperação Coronel Anastácio das Neves (CRCAN), Centro de Recuperação Feminino (CRF), Centro de Recuperação de Mosqueiro (CRMO), Centro de Triagem da Marambaia (CTMARAMBAIA) e a Central de Triagem Metropolitana I (CTMI).

Antes de serem liberados, os internos passaram por uma triagem realizada pela equipe técnica de saúde, uma das medidas de prevenção ao novo coronavírus. A validação biométrica também foi realizada em todos os custodiados, uma forma de garantia da segurança. Além disso, o Comando de Operações Penitenciárias (COPE) acompanhou a saída dos custodiados e na Colônia Penal Agrícola de Santa Izabel (CPASI), localizado no Complexo Penitenciário de Santa Izabel, fez a escolta dos internos até o pórtico.

O interno da CPASI, Luan Coelho, custodiado há 8 anos, avalia a organização feita pela Seap. “Está sendo muito boa e bem organizada a nossa saída. Está sendo bem controlado com esse novo sistema que Seap desenvolveu para identificar cada interno. Estamos seguros com a escolta até o pórtico, acredito que daqui por diante será só melhoras no sistema”, ressalta.

Ana Carolina da Silva, custodiada do Centro de Recuperação Feminino (CRF), localizado em Marituba, ressalta a importância da saída temporária. “Estou muito tempo no sistema prisional e a saída temporária acalma a saudade que eu sinto dos meus familiares”, comemora.

Na volta, os internos passarão por uma análise clínica por meio da equipe de saúde de cada unidade e ficarão em isolamento social por 21 dias.

Fonte: Agência Pará

Comentários do Facebook