24 de novembro de 2020

Filme da região de Marabá ganha premiação no Rio de Janeiro

“A Guerreira Gavião” foi premiado na 5ª Edição do Festival de Cinema de São Gonçalo, evento que aconteceu no Estado do Rio de Janeiro

O cineasta Robson Messias Lucas Santos, de Bom Jesus do Tocantins, voltou de uma viagem ao Rio de Janeiro feliz pela importante conquista de indicações na 5ª Edição do Festival de Cinema de São Gonçalo. O evento, que aconteceu entre os últimos dias 11 e 19, premiou o curta “A Guerreira Gavião” com uma Menção Honrosa de Melhor Filme. Gravado na região, o curta-metragem de 25 minutos experimenta no roubo de um bebê o seu mote.

A ficção foi gravada entre 2017 e 2019 em Bom Jesus do Tocantins. Tem como atriz principal Koiapa, de 23 anos. Inspirado em histórias reais, o filme conta a jornada de uma jovem em busca de suas origens. Atormentada pelo sentimento de dúvida e não pertencimento, ela decide enfrentar os parentes e buscar a verdade sobre sua história.

De acordo com o diretor, o curta denuncia a violência vivida por famílias vítimas de crimes de rapto de crianças e pretende, ao mesmo tempo, refletir sobre a importância de valorização da ligação do povo indígena com a terra, as tradições e os costumes.

A obra retrata o tema por meio do resgate e do reencontro. Para realizar a produção, o diretor mobilizou toda a comunidade, em especial os moradores da Aldeia Parkatejê, situada na Reserva Indígena Mãe Maria. As cenas contaram com a atuação da população indígena da etnia Gavião, incitadora da história.

Nesta foto, o belo troféu conquistado mais de perto. Os esforços para gravar o curta-metragem da terra estão dando frutos

No Rio de Janeiro, o filme de Messias foi muito elogiado pelos curadores do evento e reconhecido pelos concorrentes. Foi a única obra indicada de toda a Região Norte do Brasil. O cartaz da produção estampa a legenda “Raptada no seu primeiro dia de vida, 17 anos depois a jovem sai em busca da sua verdadeira origem com a ajuda de um fiel amigo”, sinalizando o roteiro.

O DIRETOR

Robson Messias nasceu em São José do Prado, na Bahia, e deixou as terras baianas ainda pequeno, em meados dos anos 70. O artesão é filho de professora e desde adolescente participa de movimentos sociais ligados, em especial, à luta pela terra e pela valorização dos povos indígenas.

Fonte: Correio de Carajás

Comentários do Facebook